top of page

Tyler dá entrevista exclusiva à rádio ALT CTRL da plataforma Apple Music, confira a tradução.

Tyler tratou de assuntos como seu processo de composição na pandemia, o significado de "Shy Away" e sua ligação com os outros álbuns, a Live Experience e muitos outros assuntos.

Tyler sentou hoje com a plataforma de streaming Apple Music para conversar por telefone a respeito do novo álbum da Twenty One Pilots que será lançado no próximo dia 21 de maio juntamente com um Live Experience, que você pode adquirir os ingressos aqui.


Tyler tratou de assuntos como seu processo de composição e produção na pandemia juntamente com Josh, o que podemos esperar deste novo álbum, as ligações que o álbum e "Shy Away" possui com os álbuns passados e até sobre NED.


Confira abaixo a tradução da entrevista (lembrando que não podemos disponibilizar o áudio até que o mesmo seja divulgado ao público, caso possua uma assinatura no Apple Music, você pode conferir o áudio através deste link).


----


E: Isso é muito empolgante. Sabe, já faz muito tempo que não ouvimos algumas coisas novas de vocês. Mas eu acho que o que os fãs da banda mais sentem falta é de ver vocês ao vivo, como é saber que isso está acontecendo bem lentamente?


T: Cara, eu estive vivendo esse tempo todo em uma pessoa um pouco dramática, que é provavelmente o porquê eu escrevo música, mas as vezes eu chego a pensar que nunca haverá outro show novamente, entretanto parece que faremos alguns shows em breve.


Eu descrevo esse momento como uma agulha, sabe, todo dia há uma coisa nova que você aprende ou descobre, talvez seja uma má notícia e essa agulha parece que se inclina para algo que não vai acontecer, e então, talvez, você ouça outra informação no dia seguinte, e que parece ser uma coisa boa. Então isso fica indo e vindo o tempo todo.


Acho que as pessoas se sentem como se os promotores de shows e de festivais, as pessoas que fazem esses shows tivessem mais informações do que talvez o público em geral sobre isso. E a verdade é que eu conversei com os melhores sobre o que eles sabem e eles não sabem nada, nada mais do que nós. E isso é meio louco, perceber que eles estão levando isso na esportiva dia após dia.


E por isso é difícil, nós nunca lançamos um álbum e não saímos em turnê imediatamente. É definitivamente um novo terreno.



E: Eu sinto que os shows de vocês são amplamente definidos pelo espetáculo, sejam carros em chamas, ou backflips, ou todas essas coisas que eu ouvi como a experiência ao vivo da sua banda. Isso é a parte integrante de quem vocês são e sua identidade. Você acha que há alguma maneira de recriar isso por meio de uma transmissão ao vivo?


T: Eu não acho que isso irá substituir verdadeiramente aquele sentimento de cantar músicas com um monte de pessoas em um lugar, não há nenhuma versão de transmissão ao vivo que vamos ser capazes de fazer isso. E essa é uma das coisas que venho dizendo à minha equipe enquanto estamos trabalhando nisso.


Portanto, temos uma Live Experience que acontecerá no mesmo dia do lançamento do novo álbum em 21 de maio, e eu disse à minha equipe que sim, queremos tentar capturar alguns desses momentos emocionantes e dramáticos que criamos em nosso show ao vivo. Mas, ao mesmo tempo, temos que lembrar que este é um novo formato, temos que ser inteligentes aqui. Muitas transmissões ao vivo que eu assisti, sabe, eu meio que sinto que já sei tudo o que vai acontecer depois da música também.


Você sabe, como mantemos as pessoas engajadas em todas essas coisas em que estivemos trabalhando? Com sorte, conseguiremos isso e estamos muito entusiasmados com a direção criativa que isso tem tido.


E eu acho que é uma ótima maneira de lançar um álbum, e talvez o positivo é que somos forçados a fazer algo.


Você sabe, é um show ao vivo após lançar um álbum, e talvez seja assim que os artistas lancem seus albuns daqui em diante. Como se você pudesse colocar as peças juntas onde é quase que sua própria fórmula de como a música será lançada. Então isso é tentar ver o lado bom.


Mas tendo a incerteza sempre como um compositor, eu escrevi canções através das lentes da música ao vivo, mas como será a sensação da música ao vivo? E você pensaria que esta seria a oportunidade perfeita para escrever um álbum sem aquela lente de imaginar a música sendo tocada ao vivo, e eu ainda não consigo fazer isso.


Essas músicas com certeza foram feitas para serem experimentadas ao vivo de alguma forma, e eu não sei se isso me deixa animado ou triste, porque não sabemos quando acontecerá.


Mas eu cresci como compositor mostrando canções às pessoas em pequenos palcos em clubes, e se torna muito difícil para mim separar essas duas pessoas, acho que sempre serei essa pessoa.



E: Eu escutei "Shy Away" provavelmente seis ou sete vezes consecutivas ao longo deste dia. E eu realmente sinto que ela tem um truque incrível de se conectar com os temas centrais que vocês sempre falaram em suas composições, da ideia de crescimento, mudança e lutar com a dor. Porque sem crescimento, não há mudança e nove em cada 10 vezes a dor anda de mãos dadas com o crescimento.


Vocês conseguiram fazer isso de novo, onde conseguem embrulhar esta mensagem em algo que as pessoas vão escutar com as mãos pra cima, animadas.


T: Sim, quero dizer, a faixa é emocionante por vários motivos para mim.


Eu amo a estrutura dela, ela tem um crescimento contínuo e gradual, você não necessariamente termina onde começou, e eu amo isso em sua estrutura. Estou animado com isso e por outros motivos também.


Esta é uma das primeiras músicas em que produzi completamente sozinho, escrevi e produzi aqui no estúdio, sentado como estou agora. Mas depois mandei para Josh, e ele gravou a bateria e as colodou na faixa sozinho. Foram literalmente as únicas duas mãos nesta música. Tirando o lado da mixagem, fomos apenas Josh e eu, e temos um verdadeiro orgulho dessa faixa para nós como uma banda.


E eu acho que é importante para as pessoas que operam em um formato de banda ter músicas com as quais todas as partes envolvidas nessa banda, nesse tipo de parceria, estão entusiasmadas, e essa música é definitivamente isso para nós, por causa de quão colaborativo fomos na produção.



E: Você olhou para "Blurryface" e meio que escreveu isso como um personagem que representava tudo que você não gostava em você, e parece que "Shy Away" é talvez uma continuação mais madura desse tema. Isso está correto?


T: Claro que sim! Na verdade, eu acho que há um monte de coisas que eu olho para trás, a respeito dos álbuns antigos, como "Blurryface". E há muitas perguntas que eu estava fazendo a mim mesmo e tentando resolver internamente. E neste ponto meio que amadurecendo um pouco, não apenas como compositor, mas como pessoa, esta música é especificamente um pouco mais para dentro do que para fora.


Eu tinha especificamente meu irmão mais novo em mente enquanto escrevia esta faixa, porque a única coisa mais difícil do que descobrir qual é o seu propósito nesta vida é observar alguém que você ama tentando descobrir por si mesmo também. Então a faixa realmente pretende ser um incentivo para não ter medo de dar aquele passo na direção de quem você vai ser no final das contas.


E por causa disso, eu acho que sim, naturalmente, é isso. É uma progressão natural de algumas das coisas sobre as quais escrevi no passado. Mas vejo isso quase como algo que aprendi e tentei transmitir a alguém que amo.



E: Isso é incrivelmente difícil de fazer, você tem que estar muito confiante em quem você é para ser capaz de estender a mão e oferecer apoio para que outra pessoa possa encontrar o mesmo caminho. Eu acho que é um belo presente para poder compartilhar.


T: Sim, você sabe. É um equilíbrio. Você não pode simplesmente entrar e dizer a alguém que você sabe como eles devem fazer isso.


Mas quando você começa a reunir experiências suficientes em sua vida, você começa a reconhecer alguém passando por algo que você já passou e sem parecer paternalista ou desdenhoso, se for o momento certo e você construiu o relacionamento certo com essa pessoa, você realmente pode chegar e dizer: "Ei, isso são algumas coisas que me ajudaram, aqui estão algumas ferramentas que me ajudaram a superar algo que me parece externo e que você pode estar passando, algo que eu tenho e que eu descobri talvez como resolver."


E sim, com certeza é uma "troca" delicada. Mas como eu disse, acho que reconhecer é o melhor, é a coisa mais importante que a pessoa precisa, você precisa se conhecer em um nível íntimo e a família é uma daquelas coisas para mim. Então essa música é direcionada especificamente para algumas pessoas que eu realmente amo.



E: Vocês sempre conseguiram colocar, sabem, temas de saúde mental e fé como pontos centrais para os álbuns, você sabe se esses são o tipo de temas e os arcos que sustentam os fãs e a Twenty One Pilots juntos. Essa sensação de crescimento na maturidade vai estar em "Scaled and Icy"? Podemos esperar uma continuação dessas explorações neste novo projeto?


T: Sim, quero dizer, no final das contas, como compositor, como eu disse, há coisas de que provavelmente nunca vou escapar. Uma é escrever através das lentes da música ao vivo, sabe, adoro escrever canções para o que acabará por ser uma experiência ao vivo. E outra é tentar expor certas coisas na minha vida que não resolvi.


O que é encorajador nisso é que eu não acredito que algum dia resolverei todas elas, e essa é uma lição importante para aprender, que nem todas elas serão resolvidas.


E então há definitivamente, eu acho, temática e liricamente, você sabe, vocês começarão como nossos fãs, se familiarizarão com meu estilo, meus ângulos, e vocês serão capazes de aprender e reconhecer alguns truques mais antigos.


Em "Trench", eu estava realmente tentando me expandir e acho que neste álbum, eu tentei pegar tudo que eu tinha aprendido e voltar ao que eu amava na música e meio que operar sob um pouco menos de medo, e com um pouco mais de ousadia. E eu acho que as pessoas vão gostar disso.



E: Eu tenho que perguntar, você sabe, no pôster do álbum, na parte inferior, havia um pequeno aviso em letras muito, muito difíceis de ler. Ele disse que as visões e opiniões expressas neste programa são as do município sagrado de Dema, não refletindo necessariamente a política oficial ou a posição do artista.

Agora, levando isso em consideração. Este projeto foi feito sob coação? Ou houve um terceiro elemento ou uma força externa na criação deste álbum?


T: Tudo o que posso dizer é que estou muito animado com o álbum.



E: Justo! Eu precisei perguntar, cara!


E por último, mas não menos importante, sei que a última vez que acho que vimos Ned pessoalmente foi no Jimmy Fallon. Presumo que sim, ele fará parte desta próxima era também?


T: Ele está meio que em um hiato, onde desligou o telefone. Não conseguimos encontrá-lo para mudar os seus serviços de localização (normalmente é assim que manteríamos contato com ele). Mas ele está por aí.


Se você estiver aí, Ned, volte para casa.


----


O que podemos notar é que podemos esperar muita coisa boa desse álbum, contando com uma Twenty One Pilots completamente diferente.


O que vocês esperam desse álbum, animados?


150 visualizações0 comentário

コメント


TWITTER

SPOTIFY

DISCORD

INSTAGRAM

bottom of page