top of page

Josh dá uma entrevista para a rádio "The Zone", confira a tradução.


Na noite desta sexta-feira foi divulgada uma entrevista que Josh deu para a rádio "The Zone 91.3", uma rádio canadense.


Josh falou sobre Jim, Scaled And Icy, a Live Experience e até sobre lutar um dia em uma luta livre.


Segue abaixo a tradução que nossa equipe preparou para que possam ficar por dentro de tudo o que foi dito e conversado:


 

E: Josh, Como você está? E como está o seu cachorro o Jim?


J: Estou bem, e o Jim também está bem! Ele é o primeiro cachorro que eu tive, e eu não sabia como seria isso. Eu nunca tive que ser responsável por [um animal], bem, isso não é verdade, eu já tive gatos antes. Mas eu acho que cachorros são uma coisa diferente. Eu acho que ele mudou muito a minha vida.



E: Então como ele se sente com você em casa mais frequente?


J: Sabe, eu acho que agora ele está esperando. E quando eu saio, ele sabe pular e abrir a porta, se for uma com a maçaneta de alavanca. Ou pode abrir mesmo se for uma porta de pole. Então algumas vezes eu saio ou eu vou caminhar lá fora ou outra coisa, e no outro dia, eu sei que ele estará lá. Então sim, eu acho que é meio o que faz ele esperar que eu esteja por perto praticamente o tempo todo.



E: Sim, acho que todos os animais ficaram muito necessitados no ano passado, assim como meus dois gatos. Eles ficam miando muito mais do que antes e pedindo para pegar as coisas para eles.


Vejo que você também tem lutado boxe. Não é o treino mais divertido de todos os tempos?


J: Bem, sim, é totalmente. Na verdade, comecei a fazer isso há uns cinco anos. E eu achei especialmente importante para mim quando não estamos em turnê. Eu tentei encontrar coisas que poderiam substituir a bateria, e nunca encontrei nada tão parecido além do boxe.

Não é a mesma coisa. Mas sabe, é algo também muito rítmico, precisando de tempo. Percussão e som também são meio que do mesmo jeito, como partes do meu corpo que a bateria faz. Então meio que meu objetivo é que eu possa continuar a envelhecer cada vez mais e ainda ser capaz de continuar tocando no nosso show, e isso vai mudar e evoluir com o tempo. Mas se eu puder fazer o meu melhor para prolongar meu envelhecimento e fadiga, então acho que é o ideal.



E: Sim, quero dizer, é uma comparação interessante entre os dois. Você já pensou em fazer uma luta real? Talvez puxar Logan Paul ou lutar contra Mayweather um dia?


J: Nossa, eu nunca lutaria com o Mayweather, eu acho que seria uma má decisão. Essa nunca foi minha intenção. Foi algo que eu comecei a fazer para poder ficar em forma para o show. E então percebi que também era uma espécie de exercício muito catártico e também um exercício terapêutico, bem como tocar bateria.


Sabe, eu acho que tocar bateria também salvou minha vida de algumas maneiras. E sim, eu meio que rapidamente me tornei viciado em boxe, e é simplesmente algo que adoro fazer. Eu nunca fiz isso com a intenção de participar de uma luta, mas eu faço algumas muito raramente, eu venho fazendo isso há um tempo e esse tipo de trabalho e treinamento eu faço dois ou três dias por semana. Talvez seja divertido fazer algo assim em algum momento.


Então, eu não vou dizer não, mas só para que tudo fique claro, nunca foi essa a minha intenção. Foi só treinar, mas especificamente para uma luta pode ser divertido.



E: Vamos falar sobre música. Agora estamos tocando o novo single de vocês, “Shy Away”, na estação, e eu só quero agradecer por tornar o trabalho no departamento de música muito fácil, porque pegamos suas novas músicas, ouvimos um minuto delas, e já pensamos: “vamos adicioná-la". É realmente um espetáculo. Então, obrigado por fazer isso.


Ao longo dos anos, nós simplesmente amamos a música de vocês aqui na rádio, elas realmente bombam.


J: Nossa, obrigado. Isso significa muito.


Estou assumindo que a maioria dos artistas lançam músicas que eles gostam de ouvir. Eu sabia que enquanto eu e Tyler crescíamos, encontraríamos pessoas em certos tipos de bandas de gêneros diferentes. E muitas vezes é como se a banda ou as bandas favoritas deles nunca ouvissem o tipo de música que eles lançam, o que sempre foi muito estranho para mim.


E eu sinto que todas as bandas que eu conheço realmente admiram suas músicas e escrevem e lançam algo que gostam, ou de artistas que eles gostem. E é sempre assim que fazemos. Vamos escrever músicas que somos fãs e que ouviríamos no carro ou em um voo ou alguma coisa. E eu acho que é por isso que sou fã da minha banda.


Obrigado por dizer isso.



E: De nada. Seu novo álbum, ”Scaled and Icy", lança dia 21 de maio. E estou tão intrigada para ver essa “Live Experience”. Porque muitos de nós estamos realmente acostumados a apenas assistir a um show no zoom, e meio que parece desconectado. Mas, pelo que estou ouvindo, é como uma experiência totalmente imersiva, você pode nos dar um pouco, sabe, uma visão do que podemos esperar disso?


J: Nunca fizemos nada assim. E então, pessoalmente, estou com medo de exagerar. Porque sabemos o que funcionou para nós no passado e como as pessoas gostavam daquilo, e então estamos mudando o formato. Espero que as pessoas gostem. Não quero exagerar muito. Então espero que elas gostem


Estamos acostumados com um público muito grande e pessoas fisicamente presentes no mesmo lugar para um show. Definitivamente torna-se um desafio quando você perde isso. E, isso é como remover um membro de demanda muito integral, basicamente. Então, nós meio que tivemos que descobrir uma maneira de fazer algo funcionar e eu acho que é isso vai ser uma experiência um pouco diferente, porque nunca previmos fazer algo desse jeito.


Tyler e eu ainda amamos álbuns, e a ideia de comprar um álbum, parece que está indo embora. Mas eu acho que meio que liberar essas coisas de mãos dadas, foi muito legal e excitante para nós. E então sim, se você comprar um ingresso, é um produto que você obtém, como o álbum. Então, depois de muitas conversas e reuniões ampliadas falando sobre isso, acho que chegamos em algo que parece legal e empolgante. Espero que as pessoas gostem.



E: Sim, eu acho que é realmente um desafio agora encontrar uma maneira de torná-lo envolvente e ter a mesma conexão que você tem no show, quero dizer, vocês dois como uma banda, assim como eu me lembro ter visto em Seattle, colocaram seus Tambores em cima do público e podiam sentir a energia dele, e claro, isso é algo muito importante para vocês.


Mas quero dizer, eu estava assistindo esse show, e ver agora as pessoas se preparando para o lançamento de “Choker”, bastou olhar para os comentários e ver que as pessoas estão se envolvendo. Ainda existe aquela sensação de que você está esperando do lado de fora de um show, você está se preparando para algo pelo qual está ansioso. Acho que vocês fizeram um trabalho muito bom, embora não tenhamos realmente chegado para a experiência completa ao vivo. Já está começando a parecer que há uma conexão ali. Então, acho que fizeram um bom trabalho.


J: Obrigado. É bom conversar com você sobre isso.



E: Sim, é muito divertido ver como os artistas têm sido capazes de mudar e entrar nessa época estranha e ser mais criativos. E acho que trouxe algumas coisas muito legais, embora seja apenas online e através da tela do computador.


Eu acho que isso abriu outro lado muito criativo da música também. Então, parabéns por este grande lançamento. Muito obrigado por dedicar seu tempo nesta maratona de entrevistas que você está fazendo. E novamente, o álbum “Scaled and Icy” sai dia 21 de maio, juntamente com a “Live Experience”.


J: Obrigado, até mais!

 

Tradução por: Banditos At Dema Team

65 visualizações0 comentário

Commentaires


TWITTER

SPOTIFY

DISCORD

INSTAGRAM

bottom of page