top of page

Edição exclusiva da Rock Sound com a Twenty One Pilots, confira a tradução da entrevista.


A revista britânica Rock Sound, que mantém o foco em música alternativa, publicou, em forma física, uma edição especial sobre Twenty One Pilots e a Livestream Experience, que ocorreu no dia 21 de maio desse mesmo ano.


Para que fiquem por dentro de tudo o que foi falado e conversado nessa edição mais que especial, trazemos para vocês a entrevista presente na edição traduzida .

 

Agora que estamos há algumas semanas da Livestream, como vocês refletem sobre como foi?


Josh: Teve muito trabalho até aqui. Eu acho que naqueles poucos dias também foi um turbilhão, apenas para garantir que cada coisa se encaixasse perfeitamente e que todos estivessem preparados. Havia mais pessoas envolvidas do que em um show normal, alguns dançarinos, cantores extras, músicos, então obviamente havia muitas partes comoventes. E então, na manhã seguinte, voamos para Los Angeles e tivemos mais uma semana de negócios. Talvez eu esteja começando a processar a Livestream só agora.


Tyler: Lembro-me de pensar, “Oh, nós lançamos um álbum”. Havia muito foco na preparação para essa Livestream e tudo o que vinha a acontecer. A ideia de que estávamos lançando um álbum... não tínhamos a ideia da proporção para entendermos. Colocamos tudo o que tínhamos nessa stream.



Como foi fazer um show ao vivo desta forma completamente nova?


Tyler: Bem, eu acho que realmente ajudou o fato de quase termos uma convicção tão forte contra livestreams por um tempo. Aprendemos a apreciar e aprendemos o quão incrível é a energia dentro de um concerto real, diante de um público real. Não há realmente nenhuma maneira de capturar isso e realmente ter essa energia e esse poder traduzido por meio de uma tela. Então, como é de onde viemos, quase assumimos uma postura do tipo: 'Não, nunca faremos uma livestream'.

Então, a ideia de que nossa mão foi forçada, e por causa de coisas que dissemos a outras pessoas e uns aos outros sobre como não gostamos do conceito disso, nos forçou a dizer: ”Ok, vamos fazer, mas temos que fazer de forma diferente do que jamais foi feito antes”. Especialmente quando se trata do nosso show... não pode ser apenas uma stream do que fazemos todas as noites no palco. Precisa ser novo e termos uma história. É preciso haver uma narrativa. Ela precisa permanecer atualizada e empolgante o tempo todo. Acho que realmente ajudou nisso para anos que estamos contra a transmissão ao vivo, e isso nos forçou a abordá-la de forma diferente.



Como foi superar o obstáculo de não ter uma plateia?


Josh: Acho que depois de fazer a Livestream, estou muito orgulhoso de como acabou. Acho que foi um sucesso, mas também acho que se esse fosse o novo padrão dos shows, eu ficaria meio chateado. Só porque eu acho que o mais empolgante é sair e perceber que há pessoas na sua frente, e há uma energia natural que isso traz. Foi definitivamente uma coisa interessante. Estávamos correndo de um set para outro e acho que tínhamos que perceber que havia um monte de pessoas do outro lado da câmera, mas não havia a pressão e a energia imediatas das pessoas conosco. Foi interessante de se trabalhar, mas, como o que Tyler estava dizendo, essa era a intenção da maneira como foi criado, e ter diferentes origens e coisas diferentes acontecendo para tentar compensar a falta de pessoas.


"Eu me sinto muito orgulhoso"

Você já mencionou os músicos extras que tocam com vocês ao vivo. Nos conte sobre o processo de formar aquela banda e retrabalhar as músicas com esses músicos em mente…


Tyler: Sabíamos que, especificamente para essa stream e para algumas coisas que surgiam em torno dela, queríamos nos sentir apoiados por essa instrumentação. Sempre rastreamos as coisas - não temos sido tímidos quanto a isso - mas realmente colocou um corpo e uma energia por trás dessas partes, em vez de apenas confiar em uma trilha de apoio parecia certo. Josh e eu conversamos muito sobre isso - provamos que podemos fazer isso. Nós dois, conseguimos. Mostrou do que somos capazes como duas peças. E sempre seremos uma banda de duas peças no sentido mais verdadeiro. Mas a ideia de trazer músicos extras para ajudar a preencher esse som... Sky [Acord], ele é o baixista, eu o segui no Instagram e ele postou alguns clipes incríveis tocando. Eu acabei de entrar em contato e pareceu funcionar muito bem. Ele mencionou Dan [Geraghty], o cara da guitarra. Ele era amigo dele, então nós o conhecemos através do Sky. Todd [Gummerman], em algumas teclas e guitarra, ele está na banda Mutemath e nós o conhecemos por meio disso. E então Jesse Blum no trompete e em instrumentos extras, ele está em uma banda chamada Misterwives com a qual saímos em turnê. Esses são apenas caras que, realmente assistindo todos juntos - não apenas tocando música, mas apenas interagindo - foi como, 'Uau, nós meio que topamos com um grande grupo de caras aqui'. Então foi muito divertido.



Falando em pessoas extras, havia muitos elementos de dança no show também. Qual foi a abordagem ao montar essas peças?


Tyler: Não digo isso levianamente quando digo que foi provavelmente uma das coisas mais difíceis que já fiz. Depois de descobrir o setlist e trabalhar com a banda e descobrir o fluxo do show e todo o design do cenário e o figurino... depois de tudo isso, no final do dia eu ainda teria que dizer: “Ah, e eu tenho que aprender coreografia”. Essa coisa estava pairando sobre a minha cabeça. “Isso vai ser tão difícil”, mas acabou sendo um dos meus aspectos favoritos. Eu não sabia se seria capaz de fazer isso. Eu nunca tinha feito nada parecido antes. Acabei de passar dias aprendendo com alguns ótimos professores me mostraram os movimentos. E então eu pensei: ”Ok, ótimo, eu tenho os movimentos. Agora vou para casa e vou apenas ensinar a mim mesmo. Eu filmei, estou bem”. E então foi isso que fiz por vários dias antes do evento. Assistindo a mim mesmo em meu porão, praticando para ter certeza de que pelo menos não fizesse papel de idiota. Sim, isso foi difícil.



Interagir com as músicas de 'Scaled And Icy' neste contexto e encenar abriu algo sobre elas que você não tinha notado antes?


Josh: Na verdade, eu disse ao Tyler alguns dias depois da livestream que sim. Acho que sempre que saímos em turnê e tocamos as músicas, isso as traz à vida de uma forma que talvez nem existisse no estúdio. Mas eu me lembro especificamente de "Mulberry Street" e da sensação que tive ao tocá-la ao vivo naquele cenário e com Tyler dançando e tendo dançarinos. Sinto que ouço essa música de forma diferente agora. Essa é a coisa legal sobre áudio e visual juntos. Muitas vezes eu acho que assistir a vídeos musicais de uma banda, é meio que arraigado.



A última coisa que ouvimos de você antes do álbum foram os dois singles, “Level Of Concern” e “Christmas Saves The Year”. Na superfície, pelo menos, eles pareciam muito diferentes da narrativa mais ampla que vem sendo construída ao longo de seus álbuns. Como foi esticar aquele músculo criativo diferente, e como isso levou ao que se tornou “Scaled And Icy”?


Tyler: Foi realmente um momento para eu crescer como produtor - realmente entender a arte de produzir. É uma coisa muito diferente de escrever e performar. Recentemente, adquiri um novo senso de confiança no aspecto da produção, mas [estou] também muito ciente das limitações. Posso escrever para fazer um. A questão é se essa música é ou não por dia, mas para gravar uma música... leva semanas para usar o tempo da melhor maneira. Mas essas músicas especificamente são aquelas em que eu estava apenas tentando abrir minhas asas como produtor.



Quando se tratava do próprio disco, quando você descobriu que tinha se adaptado a um ritmo em termos de trabalho mais remoto?


Josh: Acho que começou com “Level Of Concern”. Foi logo depois que a pandemia aconteceu, então todos estavam tentando descobrir o que iria acontecer com os shows da agenda. Mas quando começamos a conversar sobre o que fazer nesse ínterim, e escrever e gravar um novo álbum, obviamente a conversa de logística e como fazer isso foi grande, com viagens impossíveis e também [a perspectiva de] interagir com outras pessoas em um estúdio. Então, para mim, esta foi a primeira vez que realmente gravei alguma coisa de casa. Obviamente Tyler tem seu estúdio caseiro há um tempo, então tentamos com 'Level Of Concern' e foi muito legal, apenas poder utilizar a tecnologia que tínhamos com FaceTime e Zoom. Eu nem sabia o que era o Zoom antes da pandemia e agora é a forma padrão de comunicação com as pessoas. Então, usar isso, e então apenas tecnologia para conseguir ouvir as gravações em tempo real. Acho que sempre gostamos muito da tecnologia e de ver onde ela vai e como podemos nos beneficiar dela, então, quando estávamos procurando maneiras trabalhar remotamente e descobrir o que a tecnologia pode fazer por nós, foi realmente divertido ver quais eram as possibilidades. Eu sinto que foi ótimo. Nós dois poderíamos trabalhar em nossas próprias agendas e realmente não tínhamos que depender de alguém querendo entrar no estúdio e sair mais cedo e fazer um monte de pausas no meio. Isso, eu acho, abriu mais espaço para a criatividade do que horários.



“Scaled And Icy”, um dos temas-chave em seu trabalho anterior, pelo menos liricamente, tem sido escapismo - mesmo literalmente com 'Trench'. O que é interessante neste álbum é que o escapismo está dentro da própria música - o uso do piano e o tom otimista dessa paisagem sonora. Portanto, embora este não seja de forma alguma um registro pandêmico, essa trilha sonora mais dançante e animada parece fornecer ao ouvinte um pouco de escapismo de nossa realidade atual e abordar esse tema de uma forma que não vimos de vocês anteriormente.


Tyler: Sim, ótima avaliação do álbum. É emocionante para mim ouvir isso em suas palavras. Eu tenho um novo piano no estúdio, então isso ajudou. Foi um pouco complicado colocá-lo no estúdio. Há um detalhe, isso significa escrever uma música que às vezes você esquece e que as pessoas definitivamente não saberiam a menos que eu explicasse, mas estou sentado em um piano que acabei de comprar. Está no meu estúdio, mas também ajudei e assisti esses caras lutarem com a coisa para dentro da sala e configurá-lo e, em seguida, afiná-lo e todas essas coisas. Havia tanto em apenas colocar o instrumento na sala que já estava carregado com mola para eu escrever uma música nele. Eu não sei como explicar isso realmente, mas a energia de eu fazer parte de colocar o instrumento na sala também foi transferida para escrever "Good Day". Eu queria apenas gritar com a mão esquerda e apenas abrir isso. E assim, o piano entrando no estúdio funcionou em certo sentido como o primeiro dia do álbum. Essa música sempre ia ser a faixa de abertura na minha cabeça enquanto trabalhava no álbum. Eu não sabia se ia termina-lo. Conforme você monta um álbum, as músicas podem mudar e você as vê sendo ordenadas, e “Good Day” apenas continuou a ser tipo, “Oh, é assim que começamos isso”. Então o piano... Eu me diverti muito com isso. Mas, ao mesmo tempo, havia um monte de novos equipamentos para brincar no disco. Estava tocando guitarra pela primeira vez e era realmente compreensivo. Quer dizer, escute, eu não sou um nerd de tom. Não sei exatamente o que estou fazendo, mas sei o que parece legal para mim. E então tocar muito mais baixo em vez de sintetizar. Na verdade, tocando, você sente a humanidade por trás disso. Coisas assim. É nesse tipo de coisa que penso quando sou questionado sobre o processo de criação desse álbum. Eu sempre mencionei que quanto mais tempo você gasta entre quando o álbum foi escrito e onde você está atualmente, mais claro você entende por que o álbum foi escrito dessa forma e por que saiu dessa forma. Eu não sei se a intenção era: “Ei, vamos escrever um álbum mais brilhante, mais brilhante, mais feliz”. Josh e eu, quando voltamos e nos lembramos de algumas das conversas, nenhum de nós estava dizendo: “Vamos escrever um álbum mais brilhante”. Apenas começou a se transformar nisso. E realmente não foi até que o lançamos e todos estavam dizendo: Isso é muito mais brilhante do que tudo o mais. “Oh, eu acho que é!”


"Embora eu estivesse seguindo um caminho familiar, eu era uma pessoa diferente" - Tyler Joseph

Há um toque de Ben Folds nisso…


Tyler: Ele é tipo, meu número um. Ele é a única pessoa da minha lista que não conheci. Tenho cinco pessoas que sempre quis conhecer e ele é o único que ainda não conheci ainda.


Josh: De perto né? Você não viu ele em um aeroporto?


Tyler: Sim eu vi, eu só andei do lado dele, eu não disse nenhuma palavra



Um dos outros temas do álbum é luto - algo que você tocou antes em músicas como 'Neon Gravestones' e aqui é referenciado claramente em 'Good Day' e também em músicas como 'Redecorate'. Novamente, embora isso certamente não seja um álbum da pandemia, escrever sobre este tópico deve ter assumido um significado extra no último ano.


Tyler: "Eu realmente acho que o conceito de “Redecorate”, que foi inspirado por um amigo próximo que perdeu seu filho e manteve o quarto do jeito que o tinha, [é] uma história poderosa, visualmente poderosa. Isso era algo que eu sabia, “Quando estiver pronto, preciso escrever uma música sobre isso”. E então, por mais que não seja um álbum escrito sobre a pandemia, definitivamente a influenciou. Eu diria que uma das razões porque eu senti que tinha as palavras, eu tinha os descritores para realmente explicar o que eu queria tentar e comunicar naquela música, provavelmente veio das circunstâncias em que nos encontramos. A ideia de estar confinado. Eu realmente fui forçado a encarar minha parede. Fui forçado a olhar para a decoração que às vezes havia planejado, às vezes simplesmente acontecia. Eu não tinha movido desde então. Então, definitivamente impactou minha habilidade. Recebi aquele empurrão extra, sabendo que tinha palavras para dizer quando se trata de escrever sobre esse tópico especificamente: estar em quarentena.



É interessante que vocês pensem que inevitavelmente cairam nesse pensamento familiar, como vimos claramente com este álbum e turnês anteriores, vocês estão mais do que dispostos a se desafiar e tentar coisas novas


Tyler: Bem, é quando eu preciso do Josh para me equilibrar. Falamos sobre essas coisas o tempo todo e às vezes eu perco de vista o que realmente está acontecendo e me concentro no pior de muitas coisas.


Josh:[apontando para seu moletom 'Scaled And Icy'] Nós temos um novo álbum chamado 'Scaled And Icy'. Já foi lançado, é novo em folha, é pós-pandemia.


Tyler: Meu moletom não diz nada sobre ele, porque eu sou totalmente sobre escuridão.



Olhando para o futuro, vocês foram bastante abertos sobre como “Trench” foi uma reação a

“Blurryface” O quanto você acha que o que vem a seguir será uma reação a "Scaled And Icy"?


Tyler: "Está acontecendo atualmente. Estou trabalhando em uma música que, Josh, tenho que te mostrar isso, é muito legal. Estou animado com isso. Já falei sobre como é inevitável que seus álbuns ser reações a álbuns anteriores. Acho que esse é o ritmo com que sempre vamos correr. Eu acho que é algo sobre a falta de shows e a incapacidade de fazer turnês. Em preparação para voltar a ele, faremos um álbum customizado para essa experiência. Até onde eu sei agora, mas estou me divertindo muito descobrindo isso. Já consigo ver.



Até que ponto você está desenvolvendo como será o próximo show ao vivo?


Tyler: Está na lista de tarefas, o que significa mais do que parece. Parece um clichê, mas na verdade tenho uma lista de tarefas específica. Mas são coisas importantes como “Torne-se uma pessoa melhor” . Esse tipo de coisa está na lista de tarefas. Às vezes, eu só preciso riscar algo, então, antes de escovar os dentes, coloco "Escovar os dentes". E então escovo os dentes e depois vou riscá-lo e sinto que fiz algo. Mas a lista de tarefas agora é definir como será o próximo show. Como implementamos este álbum, “Scaled And Icy”, e associá-lo ao que já estamos fazendo e preparar as pessoas para o que vem por aí.


 

Tradução: Banditos At Dema Team

129 visualizações0 comentário

Comentários


TWITTER

SPOTIFY

DISCORD

INSTAGRAM

bottom of page